Instituto para o desenvolvimento sustentável

FEA USP

Processo Prospectivo do Desenvolvimento BRASIL 2035

Iniciativa foi do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA)
O projeto da ASSECOR e do IPEA foi finalizado e publicado em junho de 2017. A tipologia utilizada, segundo Bootz (2010), foi de apoio a decisão, em que o grau de participação dos diversos tipos de stakeholder foi baixa. Essa participação foi representada, em sua maioria, pelos servidores públicos.

O OBJETIVO para o Processo Prospectivo Desenvolvimento do BRASIL 2035, na reflexão realizada na reunião do dia 03 agosto 2016, foi alterado com a finalidade de mobilizar a sociedade brasileira para tornar "o BRASIL desenvolvido em 2100, com uma sociedade mais livre, justa e solidária”.

O objetivo do Projeto Desenvolvimento BRASIL 2035:

Mobilizar a sociedade para conquistar e conservar os objetivos fundamentais de uma nação:
  • Democracia;
  • Paz Social;
  • Soberania;
  • Integração Nacional;
  • Integridade Territorial; e
  • Desenvolvimento Sustentável.

E ter os atributos de uma Nação Solidária:
  • Transparência;
  • Respeito;
  • Espírito crítico; e
  • Ética.

I Etapa: Análise Conjuntural
Relação dos Documentos Gerados

ATIVIDADE INICIADA NO DIA 24 de março E FINALIZADA NO DIA 06 de maio de 2016

Clique para baixar:

Esta etapa possui a atividade denominada "VARREDURA DO AMBIENTE", neste projeto, o Desenvolvimento Brasil 2035, que foi realizada no Seminário de Prospectiva, que ocorreu no dia 20 de abril de 2016, onde participaram diversos tipos de agentes sociais.

Para conhecer como as dinâmicas ocorreram no Seminário e os seus resultados, clique aqui e veja o relatório final do Seminário de Prospectiva - Projeto Brasil 2035

A Apresentação do Projeto Brasil 2035, IPEA, Dra. Elaine Coutinho Marcial.

A Apresentação dos conceitos do processo prospectivo e preparação para reflexão individual.


Clique aqui, para ver a síntese do Seminário Prospectivo preparada pela Comunicação da FEA-USP.

II Etapa: Análise Estrutural

A análise estrutural teve sua origem nos trabalhos de Jay Wright Forrester, segundo Plassard (2004), ela consiste em construir um sistema de equações que representa o comportamento de um sistema complexo.

A análise estrutural foi utilizada para atender um pedido do Clube de Roma, sobre o futuro global de crescimento e de recursos naturais, que foi escrito por Donella Meadows, Dennis Meadows, Jorgen Randers e William Behrens, do Massachusetts Institute of Technology (M.I.T.). O nome do livro é The Limits to Growth, que foi apelidado de Relatório Meadows, em razão dos dois primeiros autores terem o mesmo sobrenome. A natureza sistêmica desta técnica que o torna interessante. Esta análise difere dos sistemas de equações que levam a uma solução, na medida em que integra o tempo e descreve o desenvolvimento de um número de variáveis estratégicas de acordo com as restrições do sistema. O modelo foi considerando em torno de cinco variáveis-chave: população, indústria, agricultura, recursos e poluição. A variável central é a população e varia em função das demais. O livro apresenta a evolução das variáveis para vários cenários de referência.

Existem outras definições de análise estrutural, como a definida por Hatem (1993), é uma técnica de análise de sistema que verifica o sistema, em análise, por meio de três etapas:

“ a) procura identificar as componentes do sistema e as relações existentes entre elas; b) examina o funcionamento do sistema; e c) delineia a evolução do sistema”

A riqueza da análise estrutural, conforme Plassard (2004), juntamente, com as suas limitações, reside na escolha de variáveis. O método requer a identificação de uma série de variáveis, para estabelecer entre elas relações diretas e indiretas, criptografadas ou não.

Para Godet (1994), o objetivo da análise estrutural é destacar a estrutura das relações entre as variáveis qualitativas, sejam quantificáveis ou não, porque elas caracterizam o sistema sob estudo, definindo as delimitações do sistema. Análise estrutural permite descrever um sistema usando uma matriz que interliga todos os componentes do sistema. Este método permite a análise dessas relações e identificação das principais variáveis.

ATIVIDADE REALIZADA NO DIA 06 de maio de 2016

Documentos referentes à Atividade: INÍCIO DA ANÁLISE ESTRUTURAL E DISTRIBUIÇÃO DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO PROSPECTIVO DO PROJETO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL 2035

Clique para baixar:

A apresentação das atividades realizadas nesta data

RELATÓRIO DO INÍCIO DA ANÁLISE ESTRUTURAL E DISTRIBUIÇÃO DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO PROSPECTIVO DO PROJETO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL 2035

ATIVIDADES REFERENTES À ANÁLISE ESTRUTURAL DOS ATORES

RELATÓRIO FINAL - ANÁLISE ESTRUTURAL DOS ATORES

Consolida todas atividades realizadas nos dias: 30 maio; 06 e 22 junho; 06 e 13 julho de 2016

Clique aqui para baixar:

Relatório Final da etapa de Análise Estrutural dos Atores para reflexão de encontrar a forma em que a SOCIEDADE poderá ser mobilizada para o Desenvolvimento do BRASIL 2035, ou contribuir para que o “Brasil em 2100 seja um país desenvolvido, com uma sociedade mais livre, justa e solidária”.

Este relatório servirá de análise para identificar quais são os Atores dominantes e implicados no Desenvolvimento do BRASIL 2035, e que irão integrar o conjunto de variáveis que serão aprofundadas para realizar a ANÁLISE ESTRUTURAL e identificar as variáveis motrizes para o Desenvolvimento do BRASIL 2035, considerando os ATORES que serão estratégicos para a mobilização da SOCIEDADE para tornar realidade o BRASIL desenvolvido em 2100.

Curso Processo Prospectivo e Construção de Cenários

Primeiro curso ministrado nos dias 19, 20 e 21 de julho de 2016, na FEA-USP, para os participantes do Comitê Técnico Prospectivo, que ainda não tinham participado do curso de curta duração de 24 horas.

Os documentos referentes ao curso, as apresentações, o Relatório Final do Curso e a Avaliação deste curso:

A apresentação dos conceitos do Processo Prospectivo realizada no dia 19 de julho de 2016

A apresentação dos conceitos do Processo Prospectivo realizada no dia 20 de julho de 2016

A apresentação dos conceitos do Processo Prospectivo realizada no dia 21 de julho de 2016

O Relatório Final do curso realizado nos dias 19, 20 e 21 de julho de 2016, contendo de maneira resumida o processo prospectivo, cujo tema foi: Desenvolvimento BRASIL 2035

Avaliação consolidada do curso e contribuições para melhoria, efetuada pelos participantes do curso

Segundo curso ministrado nos dias 14, 15 e 16 de dezembro de 2016, na FEA-USP, para os participantes do Comitê Técnico Prospectivo, que ainda não tinham participado do curso de curta duração de 24 horas.

Os documentos referentes ao curso, as apresentações, o Relatório Final do Curso e a Avaliação deste curso:

A apresentação dos conceitos do Processo Prospectivo realizada no dia 14 de dezembro de 2016

A apresentação dos conceitos do Processo Prospectivo realizada no dia 15 de dezembro de 2016

A apresentação dos conceitos do Processo Prospectivo realizada no dia 16 de dezembro de 2016

O Relatório Final do curso realizado nos dias 14, 15, e 16 de dezembro de 2016, contendo de maneira resumida o processo prospectivo, cujo tema foi: Desenvolvimento BRASIL 2035

Avaliação consolidada do curso e contribuições para melhoria, efetuada pelos participantes do curso

Análise Estrutural das Variáveis - Descrição, Aprofundamento e Definição das Hipóteses

Após uma reflexão no dia 03 de agosto de 2016 sobre os ATORES e os OBJETIVOS, concluiu-se acrescentar, na Análise de Variáveis, os atores dominantes e implicados no Projeto Desenvolvimento do BRASIL 2035. Esses atores foram os seguintes: PODER JUDICIÁRIO, PODER LEGISLATIVO, PODER EXECUTIVO, MINISTÉRIO PÚBLICO, SOCIEDADE BRASILEIRA, MÍDIA, EMPRESAS.

A apresentação suporte das atividades realizadas no dia 03 de agosto de 2016.

Estrutura para descrever o aprofundamento da Variável:

Nome ou título da Variável

Explicação de cada item: clique aqui.

Análise Estrutural das Variáveis - Seminário da Prospectiva - Compartilhamento das Descrições das Variáveis, Receber contribuições e Definir suas Hipóteses

Nos dias 7, 8 e 9 de junho de 2017 foi realizado o Seminário da Prospectiva, com o objetivo de compartilhar a descrição das 37 variáveis e rever / definir sua hipóteses. .

Para obter o relaório do Seminário, que contém a apresentação das 37 variáveis, a particição do Prof. Philippe Durance, as reflexões sobre as descrições das variáveis, como a avaliação dos participantes, clique aqui.

Análise Estrutural das Variáveis - Elaboração da Matriz de Impacto Cruzado - Identificar as Variáveis que mais influenciam o Desenvolvimento Brasil 2035

A atividade de pesquisa das variáveis motrizes pelo método Matriz de Impactos Cruzados e Multiplicação Aplicada a uma Classificação, que Godet (2001) denominou de forma simplificada ou resumida ou mnemônica MICMAC, é a última atividade da construção da base de dados e da análise estrutural, após a procura de maneira exaustiva das variáveis e da elaboração do seu aprofundamento.

Neste momento, trata-se de reduzir a complexidade do sistema e de detectar quais são as variáveis que precisam ser estudadas a priori. Quando há preocupação com um subsistema interno em relação com o ambiente externo, há dois tipos de variáveis essenciais: de um lado, as variáveis pertencentes muitas vezes ao subsistema externo, que são mais influentes e mais explicativas - as principais determinantes do sistema; de outro lado, as variáveis que são as mais sensíveis à evolução do sistema – geralmente as variáveis internas.

As variáveis que não interferem no sistema estudado poderão ser negligenciadas. O objetivo da Matriz de Impactos Cruzados e Multiplicação Aplicada a uma Classificação é ressaltar as variáveis com maior força motriz, mais influente, e as mais dependentes, construindo uma tipologia de variáveis classificadas como diretas e indiretas.

Nos dias nos dias 19 e 16 de setembro de 2017 foi construída a Matriz, considerando a análise de influência entre as 37 variáveis.

Para obter o relatório da Matriz de Impacto Cruzado, que identificou as variáveis mais influentes, por meio do software disponibilizado por Michel Godet, clique aqui.

III Etapa: Árvore de Competência de Marc GIGET (1998)

As Árvores de Competência de Marc Giget (1998) elaboram as dinâmicas passadas, presentes e futuras, no caso do país, de sua árvore de habilidades, que começa pela vocação, competências e seus conhecimentos (as raízes), mas também seus processos, sua execução e sua organização (o tronco), até as linhas de produtos e/ou serviços (os frutos), que leva em conta as mudanças do ambiente e identificando as forças e fraquezas do presente em relação ao passado. Depois imaginar um futuro desejável, diante das ameaças e oportunidades do ambiente e construir uma árvore de competência do futuro. Deve ser ressaltado que o processo prospectivo permite isso ao considerar que o futuro possui incertezas e está aberto para muitos futuros possíveis.

A análise da Árvore de Competência do Futuro é para orientar o futuro desejado, dentre os possíveis, e realizável, do território, neste caso do Desenvolvimento Brasil 2035.

Para obter o relatório da Árvore de Competência, de Marc Giget, do Desenvolvimento Brasil 2035, realizado no dia 13 de julho de 2017, clique aqui.

IV Análise Morfológica

É a combinação das diversas hipóteses identificadas no aprofundamento das variáveis-chave e dos atores-chave, conforme Godet (2001), para construir numa primeira fase os cenários parciais. Para isso, torna-se necessário distribuir as variáveis por temas. A construção dos Cenários Globais é a combinação dos cenários parciais.

Construção dos Cenários Globais – Contrastantes e Confrontantes
e
Construção dos Cenários Parciais por TEMA

OBS.: NÃO foi utilizado os Resultados da Atividade Análise do Impacto Cruzado - software MICMAC

Foram consideradas as 37 (trinta e sete) variáveis-chave, conforme a construção de cenários, atualmente, pelo CNAM.

A partir dos Cenários Parciais, por tema, foram construídos os Cenários Globais. Estes Cenários foram construídos considerando o desejável, factível / realizável, e o cenário que contraste e confronte com este, que seria o Cenário não Desejável.

Para obter o relatório dos cenários, desta opção, que não utilizou os resultados do MICMAC clique aqui.

OBS.: Utilizou os Resultados da Atividade Análise do Impacto Cruzado - software MICMAC

As variáveis foram ordenadas pelo grau de influência sobre as demais variáveis, isto é, pela motricidade. As variáveis mais influentes, motriz, são 19 (dezenove) variáveis.

A partir dos Cenários Parciais, por tema, foram construídos os Cenários Globais. Estes Cenários foram construídos considerando o desejável, factível / realizável, e o cenário que contraste e confronte com este, que seria o Cenário não Desejável.

Para obter o relatório dos cenários, desta opção, que utilizou os resultados do MICMAC clique aqui.

V Construção de Cenários ou Maquetes

Nesta etapa, descrevem-se os cenários, tanto parciais quanto os globais, conforme Jouvenel (2009). O cenário é constituído de 3 elementos, a Base, as descrições das variáveis-chave identificadas; a Descrição, que são as ações para construir a visão estratégica do futuro do território, neste caso o Desenvolvimento Brasil 2035; e a Imagem Final, que é combinação das hipóteses, que resultaram nos cenários parciais, cuja combinação e escolha constitui o cenário possível, desejável, mas que seja realizável:

Construção de Cenários ou Maquetes
Semináro da Prospectiva
Compartilhamento dos Cenários Construídos e Oficinas para Definir as Ações

O Seminário da Prospectiva foi realizado no dia 25 de novembro de 2017 para que os Cenários construídos fossem compartilhados e por meio de dinâmicas, em oficinas, propiciar a definição das ações com apropriação dos participantes.



Facebook Linkedin Google+

IDS. A Consciência Constrói o Futuro

© 2005 - 2017 - IDS - Instituto para o Desenvolvimento Sustentável. Todos os direitos reservados Webdesign: Tortella Comunicação